Médicos da unidade hospitalar podem ser interditados eticamente se os prazos não forem cumpridos.

MPPB dá prazo de seis dias para resolução de irregularidades no Hospital da Clipsi TV Paraíba/Reprodução O Ministério Público da Paraíba estabeleceu o prazo de até seis dias para que o Clipsi Hospital Geral, em Campina Grande, solucione irregularidades constatadas pelo Conselho Regional de Medicina da Paraíba (CRM-PB).

A decisão foi tomada nesta sexta-feira (14), durante uma audiência entre MP, CRM, Secretaria Municipal de Saúde e a direção da unidade hospitalar. CRM encontra irregularidades no Hospital da Clipsi, em Campina Grande O hospital deve apresentar a escala dos médicos que prestam serviços no local dentro do prazo de cinco dias e terá seis dias para providenciar médicos responsáveis por todos os setores, além de indicar um médico plantonista para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI), outro para a Unidade de Cuidados Intermediários Neonatal e outro para o atendimento ambulatorial.

Conforme o MP, no momento da fiscalização do CRM um mesmo pediatra prestava assistência para nove pacientes internados na UTI.

Também não havia médico responsável pela sala de parto, onde havia 21 pacientes internadas.

O hospital também não teria apresentado, durante a fiscalização, a escala médica dos profissionais que prestam serviço no local.

Caso os prazos não sejam cumpridos, o CRM poderá interditar eticamente os médicos da unidade, fazendo com que eles fiquem impedidos de trabalhar no local.