Instituição comprou kits que permitem 3 mil testes e afirma que laboratórios triplicam capacidade de exames diários do Lacen.

Teste sendo realizado do Instituto de Medicina Tropical da UFRN Glória Monteiro/Divulgação/UFRN A Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) começou a realizar testes para detecção do novo coronavírus - o Covid-19 - em pacientes do estado, nessa quarta-feira (25).

De acordo com a instituição, foram comprados kits para realização de três mil exames com recursos próprios e do Instituto de Medicina Tropical (IMT).

"Seguindo o protocolo do Ministério da Saúde, todas as amostras estão sendo coletadas pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Rio Grande do Norte (LACEN/RN) e, em seguida, testadas no IMT e no Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas (DACT)", informou a instituição. Desde a semana passada, o departamento de análises clínicas já estava atuando na identificação de arboviroses e outras infecções respiratórias para reduzir esta demanda do Lacen. MAPA DO CORONAVÍRUS: as cidades com infectados e o avanço dos casos Acompanhe as notícias sobre coronavírus no RN em tempo real Veja mudanças no funcionamento de órgãos públicos e outros serviços no RN De acordo com o chefe do DACT, Andre Ducati Luchessi, a força-tarefa permite uma capacidade de 260 testes por dia, mas tem a limitação na colheita das amostras, que é feita apenas pelo Lacen.

"Optamos por isso, porque exige uma série de critérios de biossegurança e eles já tem esse know how (conhecimento e habilidade)", explicou.

“Os três laboratórios estão processando três vezes o que o Lacen conseguiria processar em um único dia.

Isso vai gerar um dinamismo muito grande”, relatou ainda.

Para ele, a força-tarefa consegue ajudar a dar agilidade à situação e com os casos positivos e negativos, os números se aproximam mais da realidade, facilitando a tomada de decisão dos gestores. A diretora do IMT, médica Selma Jerônimo, chamou atenção para a importância do esforço para acelerar o diagnóstico, já que um paciente sem confirmação do novo coronavírus acaba ocupando leito no isolamento e ficando exposto ao risco de ser contaminado por quem realmente tem o vírus. “Esses testes são determinantes porque ajudam a distinguir os casos positivos de Covid-19.

Com isso, temos condições de direcionar as pessoas acometidas para o tratamento adequado”, afirma Selma Jerônimo. O IMT também disponibilizou uma linha de teleatendimento para orientação das pessoas com sintomas respiratórios ou suspeita da Covid-19.

O serviço está disponível das 8h às 18h, de segunda a sexta-feira, através do telefone 3342-2300. Initial plugin text